Sexta-feira, 14 Junho

A MedTrauma Serviços Médicos Especializados, responsável pelos serviços de ortopedia do Hospital Geral de Roraima (HGR), ganhou destaque e audiência ‘Global’ durante reportagem no Fantástico neste domingo (18). A empresa contratada por Cecília Lorenzon e alvo de investigação da Controladoria-Geral da União (CGU), teve revelado detalhes de parte do esquema utilizado na Secretaria de Saúde de Roraima (Sesau).

Conforme expôs a reportagem, documentos no relatório da CGU apontam superfaturamentos e realização de cirurgias desnecessárias, além da falta de informações aos pacientes.

Sem critérios e com a informação sobre as empresas debaixo do braço, Lorenzon ignorou qualquer tipo de investigação, problema com a Justiça ou com órgãos fiscalizadores e desembolsou milhões para contratar a MedTrauma.

O PORTAL DO ALEX BRAGA denunciou no início de 2023, o contrato firmado pela secretária com a empresa para atender as demandas cirurgias de ortopedia e traumatologia por mais de R$ 30 milhões.

Ignorando qualquer indício de ação criminosa ou suspeita de corrupção com verba pública, Lorenzon entregou também entregou os serviços de ortopedia do HGR para a empresa já investigada no Acre e Mato Grosso, que inclusive realizou um procedimento às escuras operando a perna errada de um paciente, causando problemas no membro saudável.

À época, a Sesau negou que o especialista da Medtrauma tenha cometido erro médico, chamando de infundada a denúncia do paciente com pinos na perna que sofreu apenas arranhões, enquanto a outra precisava de tratamento.

De acordo com a reportagem do Fantástico, há uma série de irregularidades apontadas pelo relatório da CGU que não contaram com fiscalização adequada por parte da Sesau de Lorenzon.

A CGU constatou ainda que quando foram terceirizados os serviços de atendimento em ortopedia e traumatologia, a decisão do ponto de vista administrativo foi tomada sem que fosse comprovada a vantagem dessa terceirização.

Sobre as denúncias de superfaturamento, a Sesau afirmou à reportagem que a tabela do SUS não é base para aquisição de material.

A suspeita sobre contrato da Sesau com a Medtrauma é fato apurado pela CGU e Polícia Federal. Então, ou Lorenzon tinha as informações sobre o passado pregreeso da MedTrauma e mesmo assim priorizou contrato com empresa de conduta suspeita, ou deu uma canetada sem sequer analisar o perfil da contratada.

Durante cumprimento da Operação “Higeia”, os agentes federais realizaram busca e apreensão na casa da secretária, na Sesau e no Hospital Geral de Roraima (HGR).

Qual das alternativas usou para fechar o contrato não é possível determinar, porém as suspeitas já estão sendo levantadas pelos órgãos responsáveis.

Enquanto isso, o fiel escudeiro, Antônio Denarium não larga a mão.