Terça-feira, 28 Maio

O Hospital de Rorainópolis está completamente abandonado, com muito mato e lixo, sem apoio e ação do Poder Público. A população denuncia ainda, que a diretora responsável pela unidade mora em Boa Vista e só visita a cidade, uma vez por semana.

Segundo denúncias, a Diretora Geral do Hospital Regional Sul de Rorainópolis, Juliene Monauer Amorim, não é vista com frequência na cidade onde é nomeada no cargo público, onde chega a receber o salário de quase R$ 140 mil por mês. 

Fontes afirmam que a Diretora Juliene mora na cidade de Boa Vista, onde teria a prática de viajar para Rorainópolis nas sexta-feiras à noite, passando o sábado, e retornando no domingo para a capital. Ela é apontada como uma grande amiga da secretária de saúde, Cecília Lorenzon. “Já existem várias denúncias feitas pelos servidores e moradores de Rorainópolis, mas quem denuncia é perseguido”, revela. 

Na sessão desta quarta-feira (12) deputados estaduais criticaram a gestão do governador Antonio Denarium (PP) na Saúde.

No Grande Expediente, Gabriel Picanço, que é do Republicanos e apoia Denarium desde o início da gestão, pontou várias situações.

Ele disse que recebe muitas reclamações. Desse modo, relatou o caso de um agricultor de São Luiz, no Sul do estado, que está com uma bolsa de colostomia há um ano e três meses. Era para ficar apenas 90 dias. No entanto, ele já teve a cirurgia desmarcada quatro vezes. Conforme o deputado relatou, a justificativa é que não tem anestesia, bem como anestesista ou médico para fazer o procedimento

“Eu quero que o governador Denarium chame a secretária ou chame o diretor do hospital e pergunte porque não estão fazendo cirurgias. Já é a quarta vez que marcam a cirurgia desse rapaz e é dispensado”.

Picanço explicou que a justificativa de que não há médicos não cabe, pois a própria Assembleia autorizou a contratação de empresa para a realização de cirurgias.

“ Não é possível. Nós autorizamos o Governo a contratar uma empresa para fazer esse tipo de cirurgia.

Outra situação que o deputado destacou são problemas na gestão do Hospital Regional em Rorainópolis. Ele relatou que a diretora da unidade mora em Boa Vista. O que limita o trabalho na unidade que fica a 260 km da capital.

O deputado sugeriu ainda que a Comissão de Saúde convoque a secretária Cecília Lorezon ou a diretora do Hospital geral de Roraima (HGR) Patrícia Renovatto para prestar esclarecimentos à ALE-RR.

Sem diretor
Por outro lado, o deputado Cláudio Cirurgião também apontou falhas na gestão da Secretaria de Estado da Saúde, bem como perseguição a servidores.

Desse modo, ele relatou que foi informado que o hospital de São João da Baliza, no Sul de Roraima, estava sem diretor desde o último domingo (9). E como resultado, a unidade acabou ficando sem médico para atender os pacientes que aguardavam atendimento ontem (11).

“Hoje, que já são quase 10h30 e eu ainda não tenho resposta se já tem médico lá no hospital de Baliza para atender a população”.

O parlamentar destacou que quem tentou solucionar o problema foi o próprio governador. No entanto esse não é um trabalho que o chefe do Executivo deve fazer, mas sim, a Secretaria de Saúde.

“É porque a Secretaria de Saúde é ausente nos hospitais, na relação com os profissionais, perseguindo servidores. Fazendo um monte de contratação absurda. E que, inclusive, nós pedimos esclarecimentos na Comissão de Saúde sobre esse monte de contrato absurdo. Querendo fazer chamamento de OSS sem fazer ampla discussão com Conselho de Saúde e ne com essa Casa. Então é uma ingerência enorme dentro daquela Secretaria”, disse.

Em pesquisa no site do Portal da Transparência, foi possível ter acesso aos contracheques da diretora. Em setembro do ano passado, a Diretora Juliene, que tem o cargo de cirurgião dentista especial temporária, recebeu a remuneração bruta de R$ 39.661,48; no mês de novembro o valor exorbitante de R$ 137.686,72; no mês seguinte, o montante de R$ 76.946,58. Apenas em janeiro deste ano, a remuneração bruta foi de R$ 37.316,65. 

No contracheque, é possível verificar que alguns valores foram adicionados em razão de plantões médicos realizados quase todos os dias, mas esse dado é questionado. “Como que essa diretora passou a receber um salário de quase R$ 140 mil trabalhando só no sábado?”, indagou a fonte.

Segundo a população, o ex-diretor da unidade de saúde de Rorainópolis, nunca chegou a receber mais do que R$ 4 mil por mês. Outro problema apontado pela denúncia, é que possivelmente existam profissionais conhecidos como “fantasmas”.

Ainda segundo os bastidores, a pretensão da secretária de saúde, Cecília Lorenzon, seria concorrer para a Prefeitura de Rorainópolis. Com tantas denúncias e possíveis irregularidades, os órgãos de controle de Roraima precisam investigar e apurar os dados apresentados pela denúncia. 

Veja a reportagem completa: