Domingo, 26 Maio

Em Caracaraí, a atual gestão da Prefeitura Municipal, administrada por   Dianiery Coelho, é alvo de denúncia todos os dias pelos moradores. Os problemas são diversos, falta de infraestrutura, escolas que não são reformadas, bueiros entupidos, não há pavimentação, entre outros. 

Segundo a população, as pontes de vicinais estão prestes a cair, a Casa  do Idoso está abandonada, as ruas sem infraestrutura onde os próprios moradores tentam dar um jeito para poderem acessar as residências.

A equipe de reportagem do Sem Mordaça voltou ao município para acompanhar as denúncias enviadas pela população. 

Com um primeiro mandato marcado pela má administração, a prefeita do município Dianiery Coelho, não está atendendo aos anseios da população. 

Na  Vila Cachoeirinha, território do município de Caracaraí, no Baixo Rio Branco, segundo a denúncia de um morador que preferiu manter a identidade preservada, revelou a falta de profissionais para atender as demandas da educação e da saúde, no âmbito da localidade. 

Além disso, o denunciante revelou que as condições da escola municipal, onde alunos da rede estadual também estudam, são precárias, enquanto o Posto de Saúde está abandonado.

Ainda segundo a denúncia sobre o posto de saúde “No local não há nenhum profissional da enfermagem, sequer técnico para auxiliar quem vive na comunidade. “Ano passado chegou a vir um enfermeiro que passou uma temporada aqui, mas a única vez que veio um enfermeiro foi ano passado, só que ele não atendia no posto. Para este ano não tem enfermeiro. Está previsto vir um enfermeiro, mas não deram certeza”, revelou.

Mas a escola na localidade também está esquecida com muito mato em volta, sem forro ou qualquer tipo de limpeza no teto. Ainda segundo a denúncia, desde de 2020 os estudantes estão sem aulas presenciais. 

Recentemente um recém-nascido morreu por falta de assistência na Comunidade do Caicubi no baixo Rio Branco. 

A reportagem entrou em contato com a Prefeitura de Caracaraí sobre todas as denúncias apontadas pelos moradores, mas não houve resposta até o fechamento da matéria.