Terça-feira, 28 Maio

Uma gestante perdeu o bebê ainda na barriga e até hoje, não foi informada sobre o motivo do óbito. A mulher passou por uma viagem de praticamente 3 horas em uma ambulância de Rorainópolis até a capital, Boa Vista, na “Maternidade de Lona”, como é conhecida a Maternidade Nossa Senhora de Nazareth.

Amana estava grávida de 9 meses e perdeu o bebê ainda em Rorainópolis, município onde mora com a família. Ela ainda não sabe o motivo do óbito da criança, que ao perceber que o bebê estava morto, vieram procurar ajuda na capital.

Chegando em Boa Vista, a gestante foi internada mas não sabia que o problema seria tão difícil de resolver. Amana ficou quatro dias internada aguardando. Sem poder falar com a esposa, as informações recebidas eram apenas por telefone. “Desde ontem eu falo com os atendentes para eles fazerem alguma coisa e até agora nada”, reclamou.

Francisco, esposo de Amana, desesperado resolveu procurar a imprensa para revelar  a situação precária vivida na Maternidade de Lona por sua esposa, que aguardava há dias por um tratamento definitivo. “Toda medicação que ela toma, me informava por telefone, não tinha outra forma de ter notícias. Meu bebê já morreu na barriga da minha esposa, e até agora não tiraram, ela também está correndo risco de vida”, disse desesperado.

Após a gravação desta reportagem, Francisco informou aos funcionários da maternidade que havia acionado a imprensa, em seguida, a situação foi resolvida rapidamente, e a gestante foi para a cirurgia. 

“Quem está se ajudando, são os próprios acompanhantes e pacientes. Os funcionários não deixam a gente saber informação, ficar próximo. E o pior, o pessoal da manutenção trabalha a noite, atrapalhando o descanso dos pacientes e acompanhantes, sem respeito”, revelou.

Veja a reportagem completa: