Sexta-feira, 14 Junho

Liderada pelo Procurador Geral de Justiça Alberto Rodrigues do Nascimento Júnior, equipe do Gaeco efetuou a prisão de 10 envolvidos em crimes contra a administração pública municipal, além de 84 mandados de busca e apreensão.

O Procurador-Geral de Justiça do Amazonas, Alberto Rodrigues do Nascimento Júnior, liderou, na manhã desta última terça-feira (23/5) a deflagração da Operação Garrote, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). A operação visa o cumprimento de 95 medidas judiciais, incluindo 11 mandados de prisão preventiva, 28 mandados de busca domiciliar, 28 mandados de busca pessoal e 28 mandados de busca veicular, contra autoridades e familiares do município de Borba, empresários e agentes públicos.

“Além do combate aos crimes contra a Administração Pública, a Operação busca o ressarcimento aos cofres públicos dos recursos potencialmente desviados, mediante bloqueio e indisponibilidade de bens e valores dos investigados determinada pela Justiça a pedido do Gaeco. Além da prisão, os agentes públicos investigados serão afastados de suas funções”, declarou o Procurador Geral Alberto Rodrigues do Nascimento Júnior.

As medidas visam instruir investigações que apuram a provável atuação de uma organização criminosa junto à Administração Pública no Município de Borba. Dez pessoas foram presas preventivamente e todo o material apreendido será submetido a análise, com vistas à adoção de outras medidas judiciais.

O grupo atuava com o propósito de obter vantagens de diversas ordens, por meio da prática de crimes contra a administração pública, crimes licitatórios, lavagem de capital e outras condutas típicas conexas, tudo em detrimento do erário do município de Borba/AM.

GARROTE – expressão utilizada na linguagem popular para designar uma espécie de torniquete utilizado para sustar hemorragias (analogia com as medidas judiciais que visam estancar a “sangria” de recursos públicos).

Fonte: MPAM